Bolo Doce de Espinafre

Há palavras que nos beijam Como se tivessem boca. 
Palavras de amor, de esperança, 
De imenso amor, de esperança louca. 

Palavras nuas que beijas 
Quando a noite perde o rosto; 
Palavras que se recusam 
Aos muros do teu desgosto. 

De repente coloridas 
Entre palavras sem cor, 
Esperadas inesperadas 
Como a poesia ou o amor. 

(O nome de quem se ama 
Letra a letra revelado 
No mármore distraído 
No papel abandonado) 

Palavras que nos transportam 
Aonde a noite é mais forte, 
Ao silêncio dos amantes 
Abraçados contra a morte. 

Alexandre O'Neill, in 'No Reino da Dinamarca'


Este poema foi-me relembrado pela Clara, no dia da poesia... sim, já faz tempo. Guardei-o para uma ocasião especial como esta.

O bolo que trago aqui hoje também está carinhosamente descrito no blog de outra pessoa amante da poesia... a Ilídia

A única alteração que fiz, digamos antes que foi uma omissão, foi na cobertura - não o coloquei a cobertura de chocolate.
Ah! Uma outra coisa, aliás duas: fiz o bolo na boa maneira tradicional, sem a amada Bimby da Ilídia. E, não tive a preciosa ajuda do Manel.



Bolo doce de espinafres

Ingredientes:
6 ovos
3 chávenas de açúcar
3 chávenas de farinha
150 g de espinafres cozidos e moídos (cozi-os a vapor)
1 chávena de leite (por não ter leite no momento,também já fiz com iogurte e ficou bom)
1/2 chávena de óleo vegetal
1 colher de sobremesa de fermento





Preparação:

Cozer os espinafres a vapor e deixar arrefecer.

Separar as gemas das claras e colocar em tigelas diferentes.

Bater as claras em castelo, bem firme.

Numa taça, misturar as gemas com o açúcar, até ficar num creme amarelo pálido.

Num recipiente juntar o leite, o óleo e os espinafres e triturar tudo com a varinha mágica.
Juntar este preparado  às gemas e ao açúcar que acabámos de mexer e envolver tudo.
Adicionar a farinha e o fermento e, depois de bem incorporada, juntar as claras em castelo, incorporando suavemente. 

Untar uma forma de buraco, com manteiga, e polvilhei-a com farinha. 
Colocar a massa na forma e levá-la ao forno, previamente aquecido 
Deixei cozer cerca de 40 minutos. 

Para confirmar a cozedura, fiz o  teste do palito: quando este saiu seco, retirei o bolo do forno.

Não fiz a cobertura de chocolate, mas aqui está a que retirei do blog Acre e Doce (a recita é para utilizar uma Bimby, mas também pode ser feita de forma tradicional)

Cobertura:

40 g de margarina
70 g de açúcar
40 g de chocolate em pó
40 g de leite


Coloquei todos os ingredientes no copo e programei 8 minutos/ varoma/ velocidade 2.

A Buika e o Pão de Batata-Doce e Courgette


Já fazia algum tempo que queria dar uma escapadinha por isso o desafio da Clara chegou na hora certa. Comprados os bilhetes com meses de antecedência lá estávamos num concerto que se disse de foi classificado de arrebatador.
Eu, por mim, tenho de confessar, estava a pensar ver uma  outra Buika, mas quiçá o erro está em mim!

Valeu-me o protesto para sair, ver pessoas que gosto e fazer uma nova receita, que foi do agrado das duas casas onde foram saboreadas.


Pão de Batata-Doce e Courgette
(a Ginja, onde vi a receita, fez a adaptação do livro As Receitas da Mafalda, de Mafalda Pinto Leite)




2 chávenas de puré de batata-doce assada
3/4 chávena de curgete ralada com casca
2 colheres (sopa) de coco ralado
4 ovos batidos
2 colheres (sopa) de mel ou maple syrup
2 colheres (sopa) de azeite
1 chávena de farinha de trigo
1 chávena de farinha de espelta
2 colheres (chá) de fermento
1 pitada de sal
2 colheres (sopa) de pevides de abóbora


Preparação

Pré-aquecer o forno a 180ºC. Forrar uma forma de bolo inglês com papel vegetal antiaderente e reservar.
Numa taça colocar a polpa da batata-doce assada, a curgete ralada (e bem espremida), o coco ralado, os ovos, o mel/maple e o azeite. Misturar muito bem.
Juntar as farinhas, o fermento e o sal e incorporar bem.
Colocar a mistura na forma preparada, alisar a superfície da massa e espalhar as pevides de abóbora.
Levar ao forno até cozer (teste do palito), ou por uns 25-30 minutos.
Desenformar e deixar arrefecer ligeiramente antes de cortar.



Castanhas assadas com bacon e mel, num dia de magusto


Hoje foi dia de magusto no local de trabalho. Os momentos de pausa são sempre bem acolhidos e ao que tudo indica os vários serviços do edificio aderiram, cada um por si, à pausa para "magustar".

A receita que vi na Ilídia era excelente, tinha um toque gourmet mas era também de uma simplicidade que me cativou.

A primeira fase foi feita no forno de casa mas a segunda recorri à velhinha cloche, ou patusca - como lhe queiram chamar - e completei a receita mesmo ali, em cima de uma das secretárias!

E os colegas que provaram aprovaram!!


Castanhas assadas com bacon mel

castanhas
bacon
mel

dar um golpe nas castanhas e levá-las ao forno para assar (não assar demasiado, apenas até se conseguir sair a casca)

Enrolar as castanhas no bacon, prender com um palito e pincelar com mel

Levar ao forno até o bacon ficar tostadinho



Sweet Potato Biscuits



As Dories tiveram mais um desafio tirado do livro Baking: From My Home to Yours. Com a preciosa ajuda da Susana Figueiredo, tivemos a tradução da receita:


Sweet potato biscuits 
(pág 26)

ingredientes

  • 2 chávenas de farinha
  • 1 colher de sopa de fermento
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 pitada de canela ou de noz moscada (opcional)
  • 2 colheres de sopa rasas de açúcar amarelo
  • 90 gramas de manteiga cortada em pedaços
  • 1 chávena de puré de batata doce* (ou ínhame)
    *no original são pedidas 2 latas de 425 gramas de batata doce (nunca vi à venda), mas a Dorie sugere e alternativa o uso da batata fresca, cozida e em puré, ou ínhame.




Preparação

Centrar uma grade no forno e pré-aquecê-lo a 220ºC. Escolher um cortador de bolachas redondo entre 5 e 5,7 centímetros e forrar um tabuleiro com papel vegetal ou com um tapete de silicone.
Misturar a farinha, o fermento, o sal e a canela ou noz-moscada numa taça. Juntar o açúcar e mexer bem, de modo a que não haja torrões. Juntar os pedaços de manteiga, misturá-los com a farinha e, com os dedos ou com o processador de alimentos, transformar a manteiga pedaços entre o tamanho de uma ervilha e de flocos de aveia. Juntar puré de batata e, com um garfo, misturar os ingredientes com cuidado até formar uma massa suave. Mantendo a massa na taça, amassá-la muito ligeiramente com as mãos, dando-lhe cerca de 3 ou 4 voltas apenas, de modo a ficar uniforme.
Polvilhar levemente com farinha uma superfície de trabalho, deitar a massa, polvilhá-la também com um pouco de farinha e espalmá-la com as mãos ou estendê-la com um rolo até uma espessura de 1,25 cm. É importante não trabalhar excessivamente a massa.
Cortar tantos bolinhos quanto for possível, de modo a aproveitar ao máximo a massa (numa segunda rodada de corte, já não ficarão tão leves, pelo que a massa deverá ser trabalhada o mínimo possível). Transferí-los para o tabuleiro e levar ao forno entre 14 e 18 minutos, até estarem altos e bem dourados. Deixar arrefecer entre 10-15 minutos antes de servir.

O Bolo de Banana, que andava a namorar

Este video, que hoje partilho convosco, foi-me sugerido por uma amiga, Alba Calvo, que vive em terras de Espanha. 





Bolo de Banana

Já fazia algum tempo que andava a namorar este bolo e hoje foi o dia!

A receita que a Ilidia o adaptou foi a da Martha Stuart. Obrigada por esta sugestão, Ilídia, hoje o café vai saber melhor!

Experimentem e digam se não tenho razão :)




Ingredientes:
2 chávenas de farinha
1 1/2 colher (de chá) de fermento para bolos
1 colher (de chá) de bicarbonato
3/4 colher (de chá) de sal
3/4 chávena de açúcar
1/2 chávena de manteiga derretida
1/2 chávena de leite
2 ovos (separei as gemas das claras)
1 colher (de chá) de extrato de baunilha
2 bananas bem maduras (as minhas já estavam castanhas)
Açúcar mascavado escuro para polvilhar o bolo


Preparação:
Aquecer o forno a 180 graus. 
Numa tigela grande, misturar a farinha, o fermento, o bicarbonato, o sal e o açúcar. Acrescentar a manteiga derretida e mexer, até esta estar bem incorporada. Juntar metade do leite e mexer.
Numa tigela à parte, misturar o restante leite com os ovos (separei as gemas das clara e bati em castelo estas últimas - as claras em castelo foi o última coisa a entrar na tigela e foram envolvidas no preparado) e juntar à mistura anterior, bem como a baunilha e as bananas esmagadas. 
Forrar uma forma de bolo inglês com papel vegetal (ou untá-la e enfarinhá-la), colocar a mistura, polvilhar com açúcar mascavado e levar ao forno, cerca de 35 a 40 minutos (fazer o teste do palito: espetar um palito no centro do bolo; quando este sair seco, o bolo está cozido). Deixar arrefecer e desenformar. 

Blueberry-brown sugar plain cake

Já faz tanto tempo que não venho aqui para partilhar convosco as minhas experiências. Desta vez tinha dois motivos de peso: o Grupo da Dorie tinha lançado outro desafio e o resultado só poderia ser oferecido à Rita.

O problema é que não o fotografei, depois de o cortar… valeu-me o telemóvel!



Blueberry-brown sugar plain cake 
(p.36 traduzida por Susana Figueiredo)

1 1/3 chávenas de farinha
2 colheres de chá de fermento
1/2 colher de chá de canela (opcional)
1/8 de colher de chá + 1 pitada de sal
2 ovos grandes, separados
115 gramas de manteiga sem sal, à temperatura ambiente
1 chávena rasa de açúcar mascavado
1/2 chávena de leite gordo
450 gramas de mirtílios, de preferência frescos (se for dos congelados, não descongelar) - eu usei frescos
Açúcar em pó para polvilhar

Pré-aquecer o forno a 190ºC e centrar a grade. 
Untar generosamente com manteiga uma forma rectangular de 18x28 cm (pode ser um pyrex). 
Peneirar em simultâneo a farinha, o fermento, a canela e 1/8 colher de chá de sal. 
Numa batedeira de pé ou com uma batedeira manual, com as pás para claras, bater as claras em castelo com uma pitada de sal. Se se usar uma batedeira de pé, mudar as claras para uma taça limpa. 
Mudar as pás para as de massa e bater o açúcar com a manteiga na velocidade média até ficarem creme. Juntar as gemas e bater por mais dois minutos. 
Reduzir a velocidade e acrescentar metade dos ingredientes secos, depois o leite e por fim o resto dos ingredientes secos, fazendo cada adição assim que a anterior esteja incorporada.
Com uma espátula de borracha, misturar cerca de 1/4 das claras em castelo, de modo a deixar a massa mais leve. Envolver gentilmente o resto das claras e, por último, os mirtílios.
Deitar a massa no tabuleiro untado e levar ao forno durante 35-40 minutos, ou até estar dourado e cozido por dentro. Deixar arrefecer no tabuleiro durante 30 minutos. Desenformar, polvilhar com açúcar em pó e servir morno.
Pode servir-se cortado em quadrados, simples ou com doce de mirtílio, nata azeda ou crème fraîche. Aguenta 3 dias se bem embrulhado ou 2 meses se congelado.



Gelado de pêssego

Ainda  agora estava a ler o comentário da Lenita ao meu post da pescada pescada na minha marmita e estava a pensar que preguiça é pouco, pelo lado que me toca!
Na verdade também tenho andado muito atarefada com o L de linfa e tenho descorado a cozinha, peço desculpa por isso. 
Mas... a Martha Stewart inspirou-me com este gelado que tem a vantagem de não ser necessário a máquina de gelado (nem de se mexer qdo ainda não está congelado)

Gelado de Pêssego

Fiz uma dose reduzida utilizei apenas:

  • 1 lata de leite condensado
  • 3 pêssegos médios/grande maduros



Preparação  
  1. descascar os pêssegos e retirar o caroço
  2. colocar os pêssegos numa liquidificadora e adicionar o leite condensado
  3. colocar a mistura num recipiente e levar ao congelador para solidicar
  4. saborear com prazer
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...